• Ma. Viviane Rodrigues

FOI O BUSTO DE JANE RUSSELL QUE DERRUBOU A CENSURA




As mulheres na tela foram duramente atingidas pela censura e durante as décadas em que as regras efetivamente foram aplicadas, personagens ousadas eram punidas com a tortura, suicídio e a morte. A nudez feminina era permitida apenas para que fosse reiterada a punição, que, no roteiro, vinha a posteriori, na narrativa, com o destino trágico da personagem, mas a validade do código começou a ruir em 1950, por conta do busto de Jane Russell, no cartaz do filme The Outlaw.



O tribunal considerou inconstitucional a lei de Nova York que autorizava a censura pelo Estado - responsável pela licença de exibição de qualquer filme que, no todo ou em parte - que fosse "obsceno, indecente, imoral, desumano, sacrílego ou do tipo que corrompesse a moral ou incitasse o crime”. O Tribunal determinou que os filmes constituíam um meio importante para a comunicação de ideias (PENNINGTON, 2007, p.10)

Jane Russell chegou ao mundo com o nome de Ernestine Jane Geraldine Russell e nasceu em 21 de junho de 1921. O pai era tenente do Exército dos Estados Unidos e a mãe havia estudado teatro e atriz com uma trupe de artistas. Embora tivesse planejado ser designer, foi contratada por Howard Hughes para a produção de O Proscrito em 1941, o filme que tornaria Jane famosa.




7 visualizações0 comentário