APAIXONAD@S POR CINEMA

August 16, 2017

Ma. Viviane Rodrigues

Se o Eduardo Galeano - grande jornalista uruguaio, escritor, soldado das letras, que viveu sangrentas ditaduras - diz que primeira vez da violência é como a primeira que se faz amor”, eu, humildemente digo que ver um bom filme é como ter sexo de primeira. É saber tirar proveito do melhor viver...

 

Minto?

 

 

O cinema é intenso, é íntimo, é ubíquo, já dizia Henri Agel, em algum lugar. Ver um bom filme é acordar os sentidos emudecidos pela cultura de massa e seu "nhé-nhé-nhém" audiovisual. Ver um filmes é presenciar a vida, ali, resplandecendo verossimilhança, ou pensar “_Que legal como funciona a mente dessa criatura!”, quando se depara com um roteiro super original, bizarro ou surreal.

 

Cheios de surpresas, bom cinema e sexo de primeira se encontram porque também, afinal, all art is erotic , e a sétima enobrece nossos sentidos, quando transforma relações também em densas performances.

 

Pode-se decompor a vida, como se decompõe um filme, e conceituá-la a partir de imagens e sons, observando a estrutura que se configurou, promovendo a interpretação. Pode-se criticar a vida, como se critica uma obra, atribuindo verdadeiro valor, avaliando.

 

Ricciotto Canudo tratava a sétima arte como a tradução da vida, que nos expressaria melhor na babel de idiomas e culturas - aquela arte que daria a conhecer mais precisamente os nossos universos de fora e de dentro, se reproduzindo em um idioma que foge de qualquer desconhecimento porque diz de nós, ali, (coreo)grafados em luz: o que somos e sonhamos. É um contrato tácito entre realidade e fantasia, que faz submergir nosso cartesianismo durante um tempo quase pré-determinado.  Aventuramo-nos assim pelos caminhos propostos por um roteiro, que entre fim e começo, possui uma narrativa envolvente, apaixonante, surpreendente (ou não).

 

Eu, humildemente digo que ver um bom filme (melhor ainda no cinema) é como ter sexo de primeira. Salva qualquer tarde chuvosa, curitibana ou não, qualquer dia maçante, qualquer hora-morta, ajuda a manter a (in)sanidade e o humor, faz brincar nossos hormônios e nos rapta do cotidiano enfadonho.

 

Minto?

(Vamos ver um filme?)

 

Citados no texto: Gustav Klimt Francis Vanoye Delluc Manuela Penafria.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square