SUGESTÕES DO AULÃO INTERDISCIPLINAR FOTOGRAFIA E HQ? É AQUI MESMO! ;)

July 11, 2018

Ma. Viviane Rodrigues

 

Como prometido no aulão interdisciplinar sobre Fotografia e HQ, aqui vão algumas sugestões para você, interessad@, se aprofundar mais no tema.

 

Vamos começar com o trabalho de fotografia expandida de Annie Leibovitz para a Disney.

 (Todos os vídeos tem legendas automáticas. É só clicar na configuração. Não são perfeitas, mas ajudam!)

 

Lembre dos aspectos levantados por José Luis Brea (2009),  sobre a era do “segundo obturador” - a tecnologia fotográfica aliada ao computador.

 

E as revoluções na tecnologia da fotografia expandida são constantes, como a gente mencionou. Uma grande mudança é o CCD de grafeno. Nunca tinha ouvido falar dele?  É uma revolução em andamento desde 2013 que se tornará popular e acessível.

 

FALANDO DE HIBRIDISMO E DE OUTRAS CATEGORIAS POSSÍVEIS

 

Recomendo a leitura da superstar da pesquisa, do pensamento, da academia, um dos nomes mais importantes da Semiótica no mundo, a diva Lúcia Santaella.

 

No vídeo um panorama dos estudos das linguagens, falando de hibridismo e de outros assuntos muito pertinentes para quem quer trabalhar com práticas e teorias audiovisuais fora e dentro de sala de aula.

 

 (Ah! Acha chato vídeos de palestras ou entrevistas longas? Divida em capítulos e desenvolva a paciência, mas aprenda a ver porque é muito-muito importante, ainda mais falando de ensino em EAD).

 

OUTRAS QUESTÕES PROPOSTAS BREVEMENTE NO AULÃO SOBRE HIBRIDISMO E A FOTOGRAFIA NAS HQs

 

“As fronteiras formais e materiais entre os suportes e as linguagens foram dissolvidas, as imagens agora são mestiças, ou seja, elas são compostas de fontes as mais diversas – parte é fotografia, parte é desenho, parte é vídeo, parte é texto produzido em geradores de caracteres e parte é modelo matemático gerado em computador” (Machado, 2007, p.69). Na fala de Arlindo Machado e também de Fontcuberta, a aproximação entre as linguagens. Pesquisem mais sobre os autores!

 

Falamos também  sobre as narrativas onde a fotografia se inseria no HQ.

PAIM (2013) aponta três formas de conexão entre fotografia e narrativa nas HQs:

 

1) Temática -  obras onde a fotografia, ou o  fotógrafo são assunto principal ou secundário.

 

A graphic novel "Marvels", de Kirk Busiek e Alex Ross, de 1994 é um exemplo da ,narrativa temática. Na HQ, Phil Sheldon é um fotógrafo que cobre a vida dos super-heróis na cidade de Nova Iorque.

 

 

Já fica a dica para ver uma breve entrevista com o André Diniz, autor da HQ "Morro da Favela", também enquadrada como narrativa temática.

 

 

 

2) Estilística > obras que se apropriam da técnica fotográfica e adaptam essa linguagem. Esse é um efeito do olho humano que a imagem técnica imita. Abaixo uma breve demonstração da importância domínio dos ângulos de enquadramento para  a realização de trabalho ilustrativo.

 

 

 

3) Técnica > entende-se a fotografia como recurso técnico, parte das estratégias narrativas, integrando-se ao texto. HQs com colagens fotográficas em meio a ilustração são um exemplo.

 

No link você tem acesso a  algumas colagens do famoso ilustrador Jack Kirby para vários personagens.

 

https://br.pinterest.com/pin/314477986470395131/

 

O cartunista Alan Sieber fala sobre seu processo criativo e o uso de colagens fotográficas em suas tirinhas.

 

 

No review da obra "Promethea",  do escritor Alan Moore e do ilustradores J. H. Williams III e Mick Gray você pode ouvir detalhes interessantes sobre o produto. A série teve 32 revistas, lançadas entre 1999 a 2005.

 

 

Dois outros casos de envolvimento da fotografia na narrativa são sugeridos por Nascimento (2017).

 

O primeiro é Fun Home – Uma tragicomédia em família, de Alison Bechdel.

 

http://www.bonslivrosparaler.com.br/livros/resenhas/fun-home-uma-tragicomedia-em-familia/4547

 

"No desenho, a autora utiliza um traço menos cartunizado, mais realista – com mais detalhes e hachuras – para caracterizar as fotos, diferenciando-a graficamente do restante da narrativa" (NASCIMENTO, p.48, 2017).

 

O segundo caso sugerido pela pesquisadora é a apropriação da fotografia como referencial visual para a criação do desenho que vai se transformar em uma obra posterior. Joe Sacco fez isso que na viagem à Palestina. Ele queria registrar informações que seriam úteis na prancheta de desenho (NASCIMENTO, p.48, 2017).

 

Aqui um review da obra Palestina, e como o autor, que é jornalista, transformou a experiência em HQ. Logo abaixo, uma entrevista com Joe Sacco.

 

 

 

 

Outra proposta neste sentido foi realizada por Alexandre de Maio, produtor de jornalismo em quadrinhos, com a reportagem " Crack: Caso de Polícia ou de Saúde Pública?". Os desenhos do autor tem uma estética rotoscópica e parecem traçados sobre fotografias.

 

Antes da entrevista com o Alexandre, saiba aqui sobre rotoscopia.

  "Crack: Caso de Polícia ou de Saúde Pública", é uma obra do jornalismo em quadrinhos de Alexandre de Maio.

Abaixo uma entrevista com o autor.

 

 

 

Como também mencionamos, Nascimento (2015) acredita que a obra O Fotógrafo, de Emmanuel Guibert, que retrata a experiência do fotógrafo Didier Lefèvre, nos campos dos Médicos Sem Fronteira, no Afeganistão, em 1986, possui duas das três categorias de PAIM: ela apresenta um fotógrafo como personagem e a fotografia como mediadora nos quadrinhos.

Aqui um artigo da autora analisando a obra.

 

A cena final, abaixo, da premiada animação-documentário  "A Valsa de Bashir", de Ari Folman, de 2009, usa a fotografia  - e a realidade a ela atribuída - para impactar o espectador, exatamente no final da animação, reafirmando assim,  que aquela narrativa não é fantasiosa, mas sim um relato de um dos participantes, um soldado diante daquela situação traumática e catastrófica.

 O "Projeto Corsários" é  uma graphic novel com 224 páginas, toda feita a partir da fotografia. O autor do projeto, Samuka Marinho, tentou um financiamento coletivo, mas não conseguiu chegar a meta proposta para a publicação.

 

Na apresentação do projeto são expostos alguns detalhes do encontro da história em quadrinhos com a fotografia.

 

EXERCÍCIO PROPOSTO: CINEMAGRAPHS OU CINEMAGRAFIA

 

 

Tutoriais

 

http://www.techtudo.com.br/dicas-e-tutoriais/noticia/2012/09/como-fazer-uma-cinemagrafia-usando-o-photoshop.html

 

http://designculture.com.br/cinemagraph-a-fotografia-em-movimento

 

https://www.youtube.com/watch?v=Ua96QAkzmXs

 

https://www.youtube.com/watch?v=QkYxbcRfT84

 

https://www.youtube.com/watch?v=kLMMzd2y5XA

 

 

Claro que já existe um programa para facilitar, o Fixel, mas não vale usar no exercício, hein? Queimar etapas não faz de ninguém bom profissional.

 

 

ARTIGOS E MATÉRIAS INTERESSANTES SOBRE O TEMA E ASSUNTOS MARGINAIS

 

Artigo do professor Augusto Machado Paim.

 

A fotografia na história em quadrinhos

 

Matéria sobre o photo-taking impairment effect, ou  Efeito da Deterioração da Memória pela Fotomania, como traduzi na aula. Infelizmente não achei textos em português - vou preparar um para o blog ;) - mas se você encontrou, coloque nos comentários que agrego e credito o achado, viu?

 

Você está tirando muitas fotos?

 

Artigo do professor Joel de La Laina Sene,  fotógrafo e professor do Departamento de Cinema, Arte e TV (CTR) da ECA-USP

 

A fotografia na era de sua reprodutibilidade digital

 

Podcast - Papo sobre Fotografia e Quadrinhos.

 

Artigo de Patricia Cordeiro de Abreu Alessandri.

 

A fotografia esvaziada

 

https://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq2909200719.htm

 

Ah, e ainda falta aquele post que explica como foi feita a imagem dos edifícios e do olho combinados.

 

Mesma técnica de ampliação em laboratório realizada nesta outra fotografia:

 

 

Por fim, alguns artigos e links de materiais em outros idiomas.

 

Graphic Novels and Photography

3 (Photo)Graphic Novels

Comic Books as Journalism: 10 Masterpieces of Graphic Nonfiction

 

 

 Bem, fico por aqui! Espero que vocês tenham gostado das sugestões!

 

Referências para pesquisa

 

BREA, Luis Carlos. El inconsciente óptico y el segundo obturador.La fotografía en la era de su computerización . < Disponível http://aleph-arts.org/pens/ics.html > Acesso em 12/05/2012.

DINIZ, André. Morro da favela. São Paulo: Barba Negra, 2011.

FERNANDES Jr., Rubens. A fotografia expandida. 2002.(Doutorado em Comunicação) – Programa de Comunicaçãoe Semiótica. PUC–SP, São Paulo, 2002.

FOLMAN, Ari; POLONSKY, David. Valsa com Bashir. Tradução de Pedro Gonzaga. Porto Alegre: L&PM, 2009.

FONTCUBERTA , Joan. Estética fotográfica: una selección de textos. Barcelona: G.Gili, 2007

LEFÈVRE, Didier; GUIBERT, Emmanuel; LEMERCIER, Frédéric. O fotógrafo: vol. 1. Tradução de Dorothée de Bruchard. São Paulo: Conrad Editora do Brasil, 2010.

MACHADO, Arlindo. A fotografia sob o impacto da eletrônica. In: SAMAIN, Etienne (org.). O Fotográfico. São Paulo: Hucitec, 1998.

MACHADO, Arlindo. Arte e mídia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007.

MÜLLER-POHLE, Andréas. Informationsstrategien, European Photography, v. 6, n. 1, jan/mar, 1985.

NASCIMENTO, Monique dos Santos. HIBRIDISMO IMAGÉTICO:CARACTERÍSTICAS COMPOSICIONAIS E PRODUÇÃO DE SENTIDO DO ENCONTRO ENTRE FOTOGRAFIA E DESENHO NA HISTÓRIA EM QUADRINHOS O FOTÓGRAFO

 PAIM, Augusto Machado. A fotografia na história em quadrinhos. Revista Letrônica, Porto Alegre, v. 6, n. 1, p. 369-387, jan/jun 2013.

SONTAG, Susan. Sobre fotografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

SACCO, Joe. Palestina. Tradução de Cris Siqueira. São Paulo: Conrad Editora do Brasil, 2011.

YOUNGBLOOD, Gene. Expanded Cinema. New York: E.P Duttonn & Co., Inc, 1970.

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square